No próximo sábado (21) o Cine Clube UFPR exibe o filme “Rosa Luxemburg” (1986) de Margarethe von Trotta. O longa retrata a filosofa nascida na Polônia e doutora em Ciências Econômicas que tornou-se uma das grandes líderes do movimento operário revolucionário alemão, aderindo ao Partido Social-Democrata em 1898 e em 1914, rompe violentamente com essa agremiação. Rosa, a Vermelha, como era conhecida, visceralmente internacionalista e antibelicista condenava como uma traição o apoio dos social-democratas à deflagração da Primeira Guerra Mundial. Ao lado de Léo Jogiches, o amante e do revolucionário Karl Liebknecht, junto com o qual fundou a Liga Spartakus, embrião do futuro Partido Comunista Alemão, a militante se embrenha cada vez mais no movimento de massas, passando longos períodos na prisão.

O filme e as discussões serão apresentados por Isabel Loureiro que é professora aposentada do Departamento de Filosofia da Unesp. Autora de Rosa Luxemburgo, os dilemas da ação revolucionária (São Paulo, Editora Unesp, 2003), A revolução alemã (1918-1923) (São Paulo, Editora Unesp, 2005) e “Herbert Marcuse, crítico do capitalismo tardio:reificação e unidimensionalidade”, em Jorge de Almeida e Wolfgang Bader (orgs.), O pensamento alemão no século XX, v. 1 (São Paulo, Cosac Naify, 2009).

Loureiro ainda realiza, na noite de sexta feira (20) às 19 h, no Anfiteatro 100 do Setor de Educação da UFPR a palestra “Lukács e a Revolução Russa de Rosa Luxemburg”.

Cine Clube 

O projeto do Cine Clube da UFPR volta depois de quase dois anos. “Seu nome vem de ‘Campus Central da Ufpr: uma ideia para Curitiba’, inicialmente o título de um artigo publicado por Aloísio Schmid, professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, e por mim, em dezembro de 1999 no jornal da Apufpr, e que foi transformado em projeto sob minha coordenação em 2007/2008, anos da segunda administração do reitor Carlos Moreira Jr. e por ela assumido a pós ter sido apresentado ao Conselho Universitário. Tinha como claro objetivo ampliar os espaços públicos de discussão e emprestar uma maior relevância cultural a uma região historicamente marcada pela presença da Universidade do Paraná”, revela um dos idealizadores do projeto, o Professor Emmanuel Appel.
Os equipamentos do cineclube foram adquiridos graças ao financiamento do Núcleo de Concurso. Foram instalados na Dr. Faivre, no auditório da Progepe/Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas e aí permaneceram por mais de quatro anos sem quase nenhum aproveitamento devido problemas de umidade e mofo no auditório, de acesso do público e de segurança. Em 2013, diante da expectativa de deslocamento da Educação para o Teixeira Soares, prédio da antiga Rede Ferroviária Federal, na João Negrão, tratou-se de garantir a transferência dos equipamentos para um dos anfiteatros da Educação e com uma e outra adaptação, para guardar o acervo de filmes, a mesa de som e de operações do cineclube, além de um simples mas importante estrado, prepará-lo também para leituras (de poesias, de clássicos literários e do pensamento social brasileiro, de peças teatrais, de diálogos reais ou imaginários entre grandes autores etc.) e pequenas apresentações musicais. Em resumo, somente quando os equipamentos puderam ser reinstalados no Anfi 400 é que efetivamente o cineclube pôde desenvolver com regularidade durante dois anos (de meados de 2013 a meados de 2015) as suas atividades, programadas conjuntamente pelo Nesef/Núcleo de Estudos sobre o Ensino de Filosofia, coordenado pelo professor Geraldo Balduíno Horn e pelo G-Cem/Grupo do Capital e estudos marxistas, sob minha coordenação no Depto de Filosofia, — programadas, importa sublinhá-lo, de acordo com o “cineclubismo da santa trindade baziniana” (André Bazin, critico de cinema e católico de esquerda, não abri a mão do ritual apresentação-projeção-discussão). Problemas com a manutenção dos equipamentos mais a necessidade de espaço para aulas e encontros acadêmicos não permitiram até recentemente a continuidade do que tínhamos programado.

Programação do Cine Clube para o mês de outubro

Serviço

A exibição do filme “Rosa Luxemburg” e a discussão mediada por Isabel Loureiro acontece no próximo sábado, à partir das 14 h,  no Anfiteatro do quarto andar (Anfi 400) do Setor de Educação da Reitoria da Universidade Federal do Paraná.

Comentários

Comentários

About The Author

Parágrafo 2
conteúdo além do óbvio

Mídia independente sem padrinhos nem patrões criada em 2015. Busca retratar personagens, histórias, situações e realidades peculiares que são deixadas de lado (ou abordadas superficialmente) pelos grandes veículos.

Related Posts