Cenas da rua 
Na esquina da Rua Conselheiro Brotero com a Dr. Veiga Filho, em São Paulo, fica a charmosa Padaria Dona Deôla. A entrada é rodeada de três degraus de mármore preto onde um homem negro estava sentado.  Parecia alto, seus joelhos quase chegavam a altura do rosto.
Ao seu lado, uma caixa de papelão com diversos objetos redondos. Trazia uma mochila nas costas coberta por uma jaqueta preta.
– Boa noite! O que é isso? (Às vezes penso que minha boca necessita de um zíper.)
– Não sei não dona. Achei no lixo.
– Que lixo? Em caçambas?
– Não, nos lixos dos prédios.  Quando dá cinco horas eles começam a colocar os lixos na rua. Ando por todas elas desta região ( Higienópolis,  bairro de classe alta da Cidade de São Paulo). Vou apalpando os sacos e sempre encontro coisas pra vender.
Continuou: “também  encontrei este perfume  olha, acho que é da Índia, foi o que um cara me disse.”
Ele abre  a mochila e dela retira o frasco entregando-o em minhas  mãos.
É de vidro amarelo, com várias figuras e alguns escritos na cor preta.
“Olha, aqui está escrito Índia – aponta com o dedo para a palavra ‘indian’.
Olha isso moça: retoma o frasco e abre a tampa dourada, a segura com a mão esquerda e desrosqueia uma mini tampa, que sela com precisão o frasco. Pede para que eu sinta o cheiro. Me lembra toque de flores e frutas.
– Qual seu nome?
– Cleiton ( não sei se a escrita está correta)
Estendo-lhe a mão  direita :
– Prazer Cleiton, meu nome  é Ssmaia. Foi um prazer te conhecer! Boa sorte nas vendas!
Seus olhos encheram de lágrimas. As pálpebras inferiores fizeram o papel das margem de um rio.
– Moça,  leva uma (bola) pra você!
Agradeci  dizendo-lhe que preferia  que ficasse com ele para vender. Claiton insiste e tem um forte argumento: “Por favor, leve uma para você,    é um presente meu. Muita gente para pra conversar comigo, mas só você me estendeu a mão!”
Agora, são as minhas pálpebras que imitam  as margens de um rio com águas fortes e violentas que querem transbordar.
Engoli  o choro.
– Gratidão Cleiton! Mas só aceito se você  escolher pra  mim.
Assim ele fez. Ficou alguns minutos remexendo os redondos objetos. Pegou um em sua mão e entregou-me.
Voltei para casa com um presente curioso, sem saber exatamente o que é  (uma bola decorativa? ), mas com um
grande significado: a generosidade de um morador de rua, a necessidade de atenção e de que alguém lhe estenda a mão.
Não  sei quem ficou mais feliz, se eu ou Cleiton. ❤
***
Fato ocorrido em 25 de setembro de 2017.

Comentários

Comentários

About The Author

Ssmaia Abdul

Ssmaia Abdul é Psicologa formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, mora em São Paulo e tem especialização em Jornalismo Literário .

Related Posts