Era isso, 22h, ele olha o relógio e confirma no celular, 22hr… Ela estava meia hora atrasada. Porra, eles marcaram as 21h30, ele lembrava, não queria ligar, afinal combinaram havia uma semana, e ela falava durante a semana que sábado que vem a gente se vê. Aquele bar legal do primeiro encontro. E lá estava ele, hora bolas, era só ligar e falar que não dava pra ir.

Pediu mais uma dose e conferiu o relógio. Droga, o que há de errado com ela? Era só desmarcar, será que pegou trânsito? Não, hoje é sábado, dia 17, era certeza, será que aconteceu alguma coisa?

Checa o relógio e as horas continuam passando feito vento, quase 22h30, vou ligar, deve ter acontecido alguma coisa, mandar uma mensagem. Como quem não quer nada. Daquelas despretensiosas.

Essa era a solução mais pratica, tinha que parecer maduro, tinha que parecer sensato. Tic tac, o relógio fazia. Ele envia:

Oi, não tá esquecendo de nada?

Oi, tô não, não mandei boa noite ainda pq vc dorme tarde.

Não é o boa noite.

Então não tô esquecendo de nada.

Você me deu um bolo, tô te esperando desde as 21h

Não marcamos hoje

Dia 17 lembra, a gente ia naquele bar legal?

Isso eu lembro, mas hoje ainda é dia 10.

Ele bate na testa e solta um ai caralho, hoje é dia 10. – GARÇOM!!! ME TRAZ A CONTA E UM BURACO PARA EU ESCONDER MINHA CARA.

Esquece o que eu disse sobre o bolo, acho que eu bebi demais.

Comentários

Comentários

About The Author

Biólogo com especialidade em toxicologia alucinógena por formação, toca contra-baixo por teimosia, escreve por necessidade, mas a sua real vocação é almoçar. Escreve no seu blog acamadepregos mas nem sempre.

Related Posts