Numa tarde rara de sol, porém com aquele ventinho frio típico da capital, a banda Maglore apresentou no SESC Paço da Liberdade, no último dia 19, canções dos discos Veroz (2011), Vamos Pra Rua (2013) e do mais recente trabalho intitulado “III”, eleito um dos melhores álbuns de 2015 pela Rolling Stone, Billboard, MTV e UOL entretenimento, dentre outros veículos.

O power trio Maglore, formado por Teago Oliveira (Voz e Guitarra), Rodrigo Damati (Voz e Baixo) e Felipe Dieder (Voz e Bateria), trouxe todo o volume ao espaço intimista e acolhedor do Paço para uma plateia diferenciada formada por adultos e crianças.

Acostumada a tocar em festivais e casas de shows, a banda entrou pontualmente às 17h quebrando o gelo curitibano “olha gente! nós gostamos de tocar um pouco alto espero que não quebre nada por aqui”, diz Teago, olhando o teto com detalhes de madeira e composto por gravuras que retratam a história de Curitiba.

A banda se apresentou no Sesc Paço da Liberdade no último dia 19/11

A banda se apresentou no Sesc Paço da Liberdade no último dia 19/11

A apresentação pouco contida aqueceu o clima tímido da cidade, a banda fez ecoar os amplificadores na sala do SESC, para uma plateia comportada em suas cadeiras. Já de início disse a quê veio com “O Sol Chegou”, uma indireta dos baianos para a capital cinza.

A banda tocou com entusiasmo esfuziante durante todo o show, voltando para um bis com mais três músicas. Atenderam todos os fãs, assinaram discos e ainda estavam com a calma e modéstia baiana para conceder esta entrevista. Sem falar na plateia que finalmente pode ficar de pé.

Para Rodrigo “nos somos uma banda brasileira, é pop? O que é? É difícil definir, você até pode imaginar algo contido, mas é um trio, um trio de rock, as letras e os timbres dele (Teago) se destacam quando você escuta o disco, tentamos segurar um pouco, talvez na passagem de som, mas não rolou”, descreve.

O formato da sala do SESC Paço da Liberdade se assemelha a um teatro, pois as pessoas permanecem sentadas durante as apresentações, o que permite outro tipo de interação. “Nós gostamos de tocar alto e se fizer isto numa sala como esta ninguém escuta nada, até tentamos segurar um pouco, é uma forma diferente de se apresentar e este espaço também é lindo,” completa Teago.

O trio em algumas apresentações conta com a participação de amigos como Leonardo Marques (pré-produtor do disco) e Hélio Flanders (Vanguart), o que altera a sonoridade do grupo, segundo o vocalista “a nossa apresentação fica mais classuda, em trio pegamos mais forte, principalmente, eu que gosto de espalhar guitarra pelas músicas, dou uma brecada”, explica.

A primeira vinda da Maglore a cidade foi no lançamento do disco “III” no Jokers Pub, após um ano e meio, o grupo retorna com ingressos esgotados. “Tocar no SESC foi muito bom pra gente, legal! Neste esquema a tarde veio famílias, crianças, enfim todo mundo […] diferente da coisa da casa noturna que só vai maior, no show de hoje os ingressos eram limitados, mas a procura foi grande e a gente percebe que tem um núcleo de público aqui, houve uma procura maior de quando lançamos o disco”, ressalta Oliveira.

dsc_0679

No repertório canções dos discos Veroz (2011), Vamos Pra Rua (2013) e do mais recente trabalho intitulado “III”

O álbum “III” destaca a maturidade sonora da banda, que confluiu com a assinatura com a gravadora Deck Disc como enfatiza Felipe “o disco é mais palatável, acessível, talvez melhor produzido e tivemos um suporte melhor, uma gravadora, estrutura, foi uma conjunção”, pontua. Esta aceitação ou projeção maior permitiu a Maglore participar dos principais festivais como o Festival do Sol e Lollapalooza.

Para o vocalista “muita coisa aconteceu para que este disco chegasse às pessoas, o que calhou de ter uma aceitação e visualização maior, muito pelo disco em si, […] os outros álbuns não tiveram esta oportunidade/possibilidade de chegar às pessoas. Mas, também é aquela coisa nos já vínhamos batendo em algumas traves, o disco abriu portas e a galera começou a ouvir e a entender qual é o som da banda também”, comenta.

Entretanto, o grupo passou por um momento de reformulação, e por dizer incerto, com a saída de dois integrantes, de um quarteto formaram um trio com a entrada de Rodrigo Damati (Voz e Baixo). “Este é um esquema que acaba com a banda, saiu dois caras, o negócio vai acabar! Não tem muito o quê fazer, é só esperar sangrar, mas aconteceu o contrário”, diz Teago.

Para Rodrigo, “música não tem receita, é caminhar e continuar caminhando, parecia um momento adverso quando formou o trio e aconteceu que foi super firme e de crescimento”, completa.

Do primeiro trabalho, Veroz (2011), que culminou com a mudança da banda para São Paulo e dos passos iniciais até firmar-se no circuito musical do país, o grupo amadureceu as composições, letras, harmonia e no processo de entender como funciona este caminho. A Maglore aborda nas canções temas variados que passam por relacionamentos, conversas pessoais e internas, da interação da pessoa com o ambiente e sobre a cultura dos lugares.

Conforme explica o baixista Rodrigo “às vezes quando escrevo parece que é relacionamento, mas é uma conversa pessoal, um papo interno, jogo uma terceira pessoa, até parece, mas muitas vezes é um papo interno/pessoal, não sei digam vocês…”.

Teago reflete que “Vamos Pra Rua (2013) aborda outro tipo de relação da figura com o ambiente, o lugar, o sentimento, a cultura, há certa negação, nega algumas coisas, ou, impositivo, é assim que tem que ser. Com exceção de Motor, este disco fala de outros tipos […] a gente gravou este disco experimentando tudo, quero mexer em todos estes botões aqui, fazer a porra toda”.

Continua, “já nesse disco, com um pouco mais de experiência, nos permitimos falar um pouco mais sobre relacionamentos, uma bobagem vamos falar do que quiser, é aberto e não diz o que você deve sentir, não tem esta necessidade”.

Para Felipe “é interessante fazermos esta reflexão do segundo disco até em alguns momentos a gente precisa desdizer algumas coisas, a banda não é só isso, mas também é isto, no III não tínhamos esta obrigação, obrigação nenhuma, com nada, por isto que é mais leve” salienta.

Os arranjos do trio são concisos e destacam-se pelas linhas distintas, incluindo elementos de cada integrante, que compõe uma unidade no produto final dando uma sonoridade particular e consistência ao trio.

A Maglore tem projetos de lançar um novo disco, talvez, no próximo ano há uma chama criativa, uma vontade de continuar, porém matem uma calma soteropolitana e com um olhar crítico sobre as novas canções.

“Entendemos que é um processo e o novo trabalho não deve ser como uma fotografia e apenas alterar o filtro, os processos são naturais e lentos, cada integrante enxerga de uma forma, o objetivo não deve ser de fazer a banda maior, mas algo construído com cuidado, algo que já enxergamos em algumas canções”, conclui Teago.

 

 

Comentários

Comentários

About The Author

Mario Luiz Costa Junior

Iniciante, recém chegado do jornalismo moleque. Estilo namoradinho da verdade. Charmoso e dengoso nas letras. Deambulante da desinversão da pirâmide invertida. Ativo e passivo no lead e sub-lead. Não dispensa ‘A história da minha vida’ com Renato Gaúcho.

Related Posts