Coluna Versando 

Tem algo estranho e pesado nesses tempos nublados.

Não vejo rostos de sorrisos largos,

Mas vejo semblantes desconfiados em corpos retesados,

Uns esperando e outros cuidando

Para que o ora escondido e obscuro não seja revelado.

Tempos pesados esses,  que fazem dos momentos

Durarem uma eternidade,

Que no vazio se desloca sem sair do lugar.

Pelas esquinas vendem-se almas sujas,

Rastejadores noturnos estão em promoção

Bebendo do imundo cálice da hipocrisia.

Vomitando falácias pró humanidade,

Abraçando-se estão as bactérias

Numa pervertida  comédia.

O mercado travestido de ferro, cimento e petróleo

Abre os braços envolvendo a todos.

E como se assistisse a um filme

Vou imaginando as cenas dos próximos capítulos.

Não é digno vivermos nesse submundo

Para o qual estamos sendo empurrados

É preciso desinstalar  o que vem sendo programado,

Para que o caminho já percorrido

Não seja todo no abismo jogado.

Comentários

Comentários

About The Author

Irene Grockotzki

Professora Irene Grockotzki é professora de Geografia, formada pela UFPR trabalha na rede estadual de ensino há 27 anos.

Related Posts