Neste verão para sempre cinzento, chove sobre nossas cabeças uma tempestade de lágrimas. Hoje, no pior de todos os dias, enterrei o amor. ..

No extenso jardim do silêncio, a mãe desdobra-se em prantos sobre o filho, a amante desdobra-se em prantos sobre o amante, o amigo desdobra-se em prantos sobre o amigo. Na cartinha escondida em seu peito, leva contigo toda a minha ternura, jaz aqui qualquer prospecto de felicidade minha. Ma Belle despede-se de Mon Amour e, em nossa homenagem, a sinfonia de Tchaicovsky silencia-se em luto.

Em meio aos sufocantes gritos dos desesperados, uma única coisa ecoa com clareza: “POR QUÊ??”. Por que, meu amor, por quê?? O “nada” que era o “tudo” de tantos! Por quê??

E então decidistes. Agora veste a tua farda de gala e enfrentes sozinho o desconhecido e espera, espera por mim. Ou segura em minha mão e leva-me contigo, mon amour, faz me tua no reino dos mortos, pois já dizia o rapaz daquele filme: “Não pertenço a um mundo onde não terminamos juntos!”. Tu ouviste esta frase e sofreste de longe e eu vi, eu vi a sua dor diluída em meio a tantas outras, mas ela estava lá e não sei se aguento, leva-me contigo, lhe imploro, leva-me! Ou levanta-te em riso e diga-me que é uma piada de péssimo gosto. Ria com crueldade do meu pranto, mas levanta-te, levanta-te!

Ande, saia dessa preguiça imóvel, levanta desta maldita caixa e vá buscar a vida que deixou para trás, vá buscar a mim, a todos que choram, vá! Levanta-te!

Levaste de nós as cores, trouxeste infinitas dores. Hoje enterrei minha poesia, enterrei tudo o que um dia me foi belo, enterrei-me em ti. Morta estou, por dentro, tornei-me uma transeunte sem rumo mundo afora, carregando em mim a tua ausência e cujo sentido da vida se esvaiu com sua partida.

Meu amor é do tamanho do mundo e o mundo é do tamanho da minha dor. Silencio-me junto contigo, despeço-me do meu amor sob à terra. Amo-te por esse e todos os dias. Adeus.

Para sempre sua,
Sa Belle. 

Em memória de Alexandre Makoto Maeda (14/12/1987-20/12/2015)

Comentários

Comentários

About The Author

Andy Jankowski é mestranda em Multimeios pelo Instituto de Artes da UNICAMP, formada de Cinema e Vídeo na UNESPAR/FAP, cursou filosofia na UFPR. Dedica seus estudos à Teoria, História e Linguagem do Cinema, sobretudo na representação da mulher. É membro da Associação Paranaense de Imprensa, foi Diretora Cultural e co-fundadora da Organização Universo Racionalista e atriz profissional.

Related Posts